Consumimos alimentos mais caros do que gostariamos

Alimento saudável para o bolso

Uma das maiores diferenças culturais que notei na Europa é que desde o zelador ao presidente das empresas, é comum comer suas marmitas esquentadas em um micro-ondas. Como assim? Eles cozinham suas próprias comidas e levam para esquentar no trabalho? Pois é, isso me fez refletir sobre o hábito de consumo brasileiro. Moramos em um dos países mais caros do mundo para se comer (o Índice Big Mac é a prova). Apesar disso, é raro ver alguém que não almoça (e até janta) em restaurantes durante o expediente. Provavelmente, a causa é o fato de muitas empresas darem vale refeição aos funcionários. Dessa forma, quem trabalha nelas acaba sendo “forçado” a consumir alimentos mais caros do que gostaria, já que o vale não pode ser gasto em outra coisa. Quanto você gasta para almoçar? Especialmente se você mora nos grandes centros, duvido que seja menos que 20 reais um prato. Isso é todo dia! Soma aí quanto você gasta em um mês. Entretanto, se alguém chega no trabalho com uma marmita caseira de 5 reais todos vão rir da cara dessa pessoa, não é? É uma grande inversão de valores. Recentemente adotei um novo hábito: todo domingo eu cozinho comida para a semana inteira, armazeno em tupperwares e congelo. Chamo de “quentinha produtiva”: é gostoso, saudável, econômico e ainda poupa tempo!

Evellis Magazine – Quem lê, cresce!
Pessoas, ideias e atitudes inspiradoras